quinta-feira, 30 de outubro de 2014

O ambiente como questão global

Capítulo 11
O ambiente como questão global
ESTUDAREMOS NESTE CAPÍTULO:
as aceleradas mudanças provocadas pelo ser humano no meio em que vive, as quais têm relação com o processo de dissociação simbólica entre o ser humano e a natureza. A produção e o consumo de massa, especialmente a partir do século XX, têm degradado o habitat, destruído diversas espécies da flora e da fauna e comprometido as reservas de energia do planeta Terra. O custo é a ameaça sobre a vida humana no planeta. São discutidos, neste capítulo, temas como desenvolvimento capitalista, sociedade de risco, ação humana, consumismo, desenvolvimento sustentável.

A relação ser humano-natureza
Se você assistir ao filme A guerra do fogo, do diretor Jean-Jacques Annaud, produzido em 1981, irá perceber o quanto os seres humanos sempre tiveram de enfrentar riscos, a grande maioria deles de ordem natural: as secas, os terremotos, os raios, as tempestades, os vulcões, as enchentes. Muitos desses riscos podem, hoje, por meio do desenvolvimento de técnicas e tecnologias, ser previstos e ter seus efeitos reduzidos.
Na sociedade de hoje, entretanto, predominam riscos de outra ordem – são aqueles produzidos ou intensificados pela própria humanidade. Isso significa que esses riscos estão ligados à forma como nosso conhecimento aplicado em técnicas e tecnologias se relaciona com a natureza. Em outras palavras, uma grande ameaça contra a vida humana no planeta Terra resulta da maneira como empreendemos o desenvolvimento econômico, social, político, cultural, e o modo como nos organizamos para garantir nossa sobrevivência.
Em nossa trajetória de ocupação da Terra, transformamos e temos transformado a natureza. Mesmo antes da industrialização e da sociedade capitalista, as ações humanas provocaram mudanças ambientais, porém em ritmo mais lento. A agricultura foi um marco dessa relação, porque significou a primeira forma de domesticação da natureza. A partir do século XX, com a produção e o consumo em massa característicos do sistema fordista – que implicou padronização e produção em larga escala a preços competitivos –, as mudanças no ambiente se aceleraram e se intensificaram, por causa da exploração intensiva de recursos naturais. Como consequência, em frequência e velocidade nunca vistas, espécies da flora e da fauna foram extintas ou postas em risco, reservas de recursos minerais começaram a se esgotar e o solo e o subsolo foram degradados.
Nas sociedades que originaram a civilização ocidental, foi se constituindo, aos poucos, uma visão de superioridade humana sobre todas as coisas em razão de sua capacidade de transformá-las mediante o trabalho. Decorreu desse processo a premissa de que ser humano e natureza são distintos, como se não fizéssemos parte dela.
Desse modo, o ser humano se encontra alienado como ser natural, isto é, se torna um estranho de si mesmo e do mundo em que vive, não se reconhecendo neles. A alienação é um fenômeno social de distanciamento, de estranhamento do indivíduo ou grupo, de uma instituição ou de uma sociedade em relação aos resultados da própria atividade, a si mesmos, ao contexto em que vivem e a outros seres humanos.
O resultado da alienação do homem em relação à natureza são conflitos de diversas ordens: interferências nos processos de transmissão de conhecimento, desarranjos sociais, desarticulação das práticas de culturas tradicionais, políticas que promovem a desagregação de comunidades, entre outros. Em suas reflexões sobre o contexto atual, os sociólogos Anthony Giddens e Boaventura de Sousa Santos mostram que as promessas de emancipação social por meio do progresso anunciadas pela modernidade não se concretizaram. A emancipação social é um conceito-chave na modernidade ocidental, um ideal de que o progresso histórico das técnicas e instituições sociais levaria o ser humano a superar a rudeza do trabalho e da dominação social por ser dotado de vontade e liberdade. Ao contrário do esperado processo liberador das limitações humanas e sociais, a modernização acelerada trouxe perigos cada vez mais reais de catástrofes ecológicas, guerras nucleares, falta de água e de outros riscos à vida.
O custo a pagar pela cisão entre seres humanos e natureza é a ameaça à existência da vida humana.
Essa separação ideologicamente construída entre ser humano e natureza se consolidou principalmente nos dois últimos séculos. Foi com esse pensamento que os países imperialistas europeus, sob o pretexto de “civilizar” o mundo, submeteram as populações das Américas, da África e da Ásia a uma lógica de acumulação (ou crescimento) do capital econômico, ampliando o capitalismo industrial. Nos séculos XIX e XX, o conhecimento científico também se tornou utilitário, e a natureza passou a ser vista como recurso para satisfazer a produção capitalista.
No Brasil, durante o período colonial, houve um processo de extermínio dos povos indígenas. Em parte, esse conflito entre os povos que aqui viviam e os portugueses e seus descendentes se deveu à cobiça pelas terras indígenas e pelos recursos naturais que as populações nativas controlavam. Colaborou para isso a concepção das missões religiosas, que viam o indígena como um ser primitivo e herege, determinando que ele deveria aprender a cultura e os costumes dos “civilizados” – suas crenças, seu modo de comer, se vestir e se relacionar. Essas práticas resultaram na desestruturação de sociedades indígenas e na dizimação de muitos povos.
Mesmo nos séculos XIX e XX, após a expansão territorial até os limites atuais do país, as populações indígenas continuaram sendo atingidas de várias maneiras, pois ocorreram diversas ondas de migrações para o interior do país, impulsionadas tanto pela descoberta de minerais e metais preciosos quanto pela busca de terras para agricultura e pecuária. Expedições realizadas pela Amazônia brasileira no último século mostraram também que os “indígenas civilizados” estavam sendo explorados e viviam na miséria, situação corrente ainda hoje. Foi somente no início do século XX que foram criados os primeiros serviços de proteção aos indígenas. Hoje a Fundação Nacional do Índio (Funai), criada em 1967, é o órgão governamental responsável pelas disputas de terra e proteção a comunidades indígenas.
http://www.novomilenio.inf.br/santos/calixto/calixt38a.jpg
Na cabana de Pindobuçu, de 1920, óleo sobre tela de Benedito Calixto, retrata o contato entre diferentes culturas, que interferiu nos costumes dos povos indígenas. Reprodução/Museu Paulista da USP, São Paulo, SP.
Atualmente, a terra continua sendo objeto de conflitos e disputas. A demarcação de áreas destinadas aos indígenas, no Brasil e em outros países latino-americanos, tem sido postergada e combatida pelos agricultores, madeireiros, mineradores e outros grupos sociais.
Entre as consequências da dizimação dessas populações, podemos citar o desaparecimento de muitas línguas. Segundo a Unesco, em 1900, havia no mundo cerca de 10 mil línguas; hoje sobrevivem apenas cerca de 6,7 mil. Um dos problemas desse desaparecimento consiste na perda de informação cultural e científica, pois com isso também se perdem saberes das comunidades tradicionais – muitas das quais, ao longo dos séculos, asseguraram o equilíbrio ambiental por meio do adequado manejo do solo e do uso consciente de mares e rios. Cada língua – enfim, cada povo e sua cultura – que se extingue faz desaparecer, entre outros, o conhecimento sobre plantas medicinais e o equilíbrio de ecossistemas.
Duas indígenas da etnia Kalapalo (do tronco Karib), moradoras da aldeia Aiha, no Parque Indígena do Xingu (MT). Na foto à direita, a mulher prepara o polvilho do beiju por meio da lavagem da massa de mandioca-brava. Apesar das adversidades, muitos povos lutam para manter vivos sua língua, seus conhecimentos e sua cultura. Fotos de 2011
Um reflexo desta separação entre natureza e humanidade seria o fracionamento das ciências. Em nome da eficiência científica, foi criada uma multiplicidade de disciplinas, como a Química, a Física, a Biologia, etc. No entanto, ao seccionar o ser humano e a natureza em múltiplas partes (disciplinas científicas), dificultou-se a percepção de uma interdependência entre essas esferas. Ao ignorarmos essa interdependência, produzimos efeitos desastrosos tanto no meio ambiente quanto nas populações humanas.
PAUSA PARA REFLETIR
Leia o texto a seguir, do biólogo e zoólogo Miguel Rodrigues, no qual ele apela para a preservação de nossa diversidade biológica. Um dos exemplos mais elucidativos é o dos levantamentos da biota, que se fazem por ocasião da construção de empreendimentos hidroelétricos:
À parte de um exército de zoólogos e botânicos sistematas, poucos demonstram interesse em aproveitar essa oportunidade única para ampliar o conhecimento sobre nossa diversidade biológica. Conhecer melhor as doenças de nossos animais e plantas nativos certamente tem importância estratégica para um país que vem substancialmente alterando seus hábitats naturais. Estudar a curto, médio e longo prazos os efeitos dos represamentos causados por esses empreendimentos sobre as comunidades animais e vegetais são outras oportunidades oferecidas pelo cenário experimental, provocadas por obras desse tipo. Finalmente, poderíamos aproveitar a fauna e a flora desalojadas para, pelo menos, fazê-las conhecidas da maioria do povo, contribuindo por pouco que fosse para elevar o nível de conhecimento, de educação ambiental e de consciência social das gerações futuras.
RODRIGUES, Miguel. Biodiversidade: do planejamento à ação. Ciência & Cultura – temas e tendências: biodiversidade. Revista da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, ano 55, n. 3, jul./ago./set. 2003, p. 48
Após a leitura, responda às questões:
1. Qual é o principal argumento do autor para a preservação de nossa diversidade biológica?
2. Tendo em vista o que você já aprendeu com os estudos das Ciências Sociais, reflita sobre as implicações da destruição ambiental para as populações que viviam próximas a locais de implantação de grandes obras.
Sociedade de risco
Os seres humanos sempre tiveram de enfrentar muitos riscos para defender-se de ataques externos de outros humanos (como invasões de salteadores, guerras, saques) ou de intempéries, como secas, ataques de insetos, terremotos, raios, tempestades, vulcões. Hoje, muitos riscos naturais podem ser evitados ou atenuados por meio do conhecimento e de modernas tecnologias. Entretanto, novos riscos – considerados de outra ordem – emergiram. Isto é, são riscos que foram e continuam sendo criados pela própria ação humana, por conta, por exemplo, do uso insustentável da água e do solo: deslizamentos de encostas com soterramentos, desertificação progressiva de muitas regiões e esgotamento de solos, risco e resíduos nucleares, grandes enchentes, mortandade e extinção de espécies animais e vegetais, etc.
Moradores retiram seus pertences após deslizamento de terra que destruiu casas e soterrou ao menos 4 pessoas em Petrópolis, Rio de Janeiro, em março de 2013. A construção irregular de habitações nas encostas, o desmatamento e a falta de planejamento urbano, associados à desigualdade social, podem resultar em tragédias pessoais e problemas sociais.
http://s.glbimg.com/jo/g1/f/original/2013/03/20/age20130320073.jpg
Marcos de Paula/Estadão Conteúdo/Agência Estado
Os riscos atuais no ambiente resultam da forma como tem acontecido a intervenção humana na natureza.
O sociólogo alemão Ulrich Beck interpretou que as mudanças, nas últimas décadas do século XX, estão nos levando a uma “sociedade de risco”, na qual os bens coletivos não estão mais garantidos. Ou seja, a produção social das riquezas é acompanhada pela produção de riscos sociais e ambientais. Viver em uma sociedade de risco implica viver uma era de incertezas. Cada vez mais há dificuldades de prever com segurança as reais ameaças provocadas pelo desenvolvimento e aplicação extensiva de novas tecnologias e descobertas científicas que, a serviço de interesses econômicos, podem alterar para sempre a vida no planeta, dificultando a sobrevivência humana. Nessa perspectiva, Beck critica a Sociologia clássica por achá-la envelhecida e carente de categorias e formulações capazes de explicar uma realidade contraditória e em acelerada mudança.
A transição do período industrial para o período de risco da modernidade ocorre de forma indesejada, despercebida e compulsiva no despertar do dinamismo autônomo da modernização, seguindo o padrão dos efeitos colaterais latentes. Pode-se virtualmente dizer que as constelações de risco são produzidas porque as certezas da sociedade industrial (o consenso para o progresso ou a abstração dos efeitos e dos riscos ecológicos) dominam o pensamento e a ação das pessoas e das instituições na sociedade industrial. A sociedade de risco [...] surge na continuidade dos processos de modernização autônoma, que são cegos e surdos aos seus efeitos e ameaças. De maneira cumulativa e latente, estes últimos produzem ameaças que questionam e finalmente destroem as bases da sociedade industrial.
BECK, Ulrich. A reinvenção da política: rumo a uma teoria da modernização reflexiva. In: GIDDENS, A.; BECK, U.; LASH, S. Modernização reflexiva: política, tradição e estética na ordem social moderna. São Paulo: Ed. da Unesp, 1997. p.16.
Após a Revolução Industrial, ocorreu um processo de racionalização progressiva da sociedade, na medida em que a técnica e a ciência invadiram as diversas instituições sociais e as transformaram. De acordo com o filósofo e sociólogo Jürgen Habermas, a racionalização atinge a tudo e a todos, quando os sujeitos foram e são dominados pelo discurso da racionalidade, da eficiência e da competência. O ser humano se torna vítima da razão técnico-instrumental que é, por outro lado, “irracional”, já que o domínio sobre a natureza colocou em risco a própria humanidade. Essas condições da sociedade, concentradas e intensificadas no último século, constituem o que os cientistas sociais denominam modernização – um processo de mudança social provocado pelas invenções e inovações da sociedade moderna, cujas características são a racionalidade da administração, a industrialização, a burocracia, a urbanização, a tecnologia avançada, etc.
Existem hoje diversos riscos à saúde, à segurança e ao meio ambiente produzidos pela ação humana. Uma característica desses riscos é a dificuldade de controlá-los, pois não sabemos como enfrentá-los e quem responsabilizar por eles. Um exemplo é a doença da vaca louca, associada à mudança na alimentação do gado (alimentado com ração feita de farinha dos ossos de animais da mesma espécie) e fruto de causas ainda desconhecidas ou não pesquisadas. As sementes geneticamente modificadas podem constituir outro caso de risco, pois há pesquisas afirmando que elas contaminam plantações não transgênicas, reduzem a variabilidade genética de espécies e desestruturam ecossistemas. Os riscos ambientais são globais, uma vez que atingem todas as classes sociais e países, embora não da mesma maneira nem com a mesma intensidade. As consequências do vazamento em uma usina nuclear, por exemplo, extrapolam os limites territoriais do país onde ela se localiza.
Diversos problemas de saúde são associados a questões ambientais, como o câncer de pulmão (muitas vezes associado à poluição do ar) e o de pele (associado à exposição excessiva ao sol, agravada pela redução da camada de ozônio). Outros riscos podem advir das inovações que envolvem a manipulação da matéria, como é o caso da nanotecnologia – um ramo da ciência que desenvolve estudos e pesquisas de processos que implicam a manipulação da matéria em escala atômica e molecular, cujas estruturas medem de 1 a 100 nanômetros. nanômetro: a bilionésima parte de um metro (10-9 m). Os cientistas criam, assim, novas substâncias, materiais ou componentes a serem usados em diversas áreas, permitindo, por sua vez, criar produtos sofisticados, de alta tecnologia e capacidade, em tamanho muito reduzido.
No que tange à nanotecnologia, os cientistas alertam que seus riscos deveriam ser cuidadosamente mapeados, o que ainda não ocorreu. Certas indústrias, como a de cosméticos e a de produção de roupas sintéticas, a utilizam sem que se tenha investigado as possibilidades de contaminação dos trabalhadores, uma vez que os atuais equipamentos de proteção e instalações podem não ser adequados às novas substâncias.
http://www.bbc.co.uk/worldservice/assets/images/2009/05/07/090507073455_fluafp226.jpg
http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/foto/0,,21456849,00.jpg
Ao lado, passageiros no aeroporto internacional da Cidade do México usam máscaras para se proteger de contaminação durante o surto de gripe A (H1N1), em maio de 2009. Abaixo, em julho de 2009, pessoas também se protegem com máscaras em fila de hospital no Rio de Janeiro (RJ). Em tempos de globalização, em que a mobilidade das pessoas é cada vez maior, a sociedade tem dificuldades em prevenir riscos.
São muitos os efeitos das mudanças resultantes da relação que os seres humanos estabelecem entre si e com a natureza que os cerca. É possível, por exemplo, correlacionar o aquecimento global com a mudança no número e na intensidade dos furacões. O ser humano não somente se relaciona com o meio ambiente, ele é parte do ecossistema e, portanto, é também natureza.


PESQUISA
Leia o texto abaixo sobre a questão das cotas de carbono e anote em seu caderno as ideias principais, que ajudarão na sua pesquisa. Depois, siga os passos indicados.
Em 1990, a pedido das Nações Unidas, 2 mil especialistas indicaram num documento conjunto que era preciso cortar as emissões de dióxido de carbono de 50 a 70%. Significava dizer adeus a carvão e petróleo, um negócio de US$ 3 trilhões anuais. Seguiram complexas negociações. Em 1992, na conferência do Rio de Janeiro [ECO-Rio], aprovava-se o chamado princípio de precaução: “quando houver ameaça de danos sérios ou irreversíveis, a ausência de absoluta certeza científica não deve ser utilizada como razão para postergar medidas eficazes e economicamente viáveis para prevenir a degradação ambiental”. Mais de 170 países assinaram. George Bush, então presidente dos Estados Unidos e pai do atual [em 2006], se recusou: “o estilo de vida americano não é negociável”, declarou. Cinco anos depois, a maioria dos governos do planeta estabeleceu em Quioto o que era “economicamente viável”: o máximo era tentar diminuir as emissões até 2012, mas em 5,2% do nível acordado em 1990: como apagar um incêndio com conta-gotas. [...] O protocolo de Quioto entrou em vigor em 2005. Os Estados Unidos não assinaram, novamente, sob a mesma alegação: “não colocar em risco o estilo de vida americano”. Embora muitos estados daquele país venham tentando pôr em prática a diminuição das emissões, a evidência, porém, é que a temperatura do planeta e os furacões, assim como o estilo de vida, não parecem ser negociáveis.
CASTELFRANCHI, Yurij. Vento de furacão esquenta debate sobre mudança climática. Ciência & Cultura – temas e tendências: Amazônia, artigos.  Revista da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, ano 58, n. 3, jul./ago./set. 2006, p. 17.
Com base nessa reflexão, pesquise outros exemplos, em jornais, revistas e na internet, sobre a degradação ambiental e o Protocolo de Quioto, assinado em 1997. Formule um texto que aborde as seguintes questões:
1. Em linhas gerais, qual é o conteúdo desse documento e que países participaram desse acordo?
2. É correto afirmar que ele representa um avanço parcial para a humanidade no despertar da consciência ecológica? Por quê?
3. Você acha que esse protocolo incentivou pesquisas tecnológicas em busca de alternativas energéticas e do uso sustentável dos recursos? Dê exemplos encontra- dos em sua pesquisa.
Ecossistemas e globalização
O Brasil é o país que abriga a maior biodiversidade do planeta e isso aumenta sua responsabilidade na preservação da Terra e na geração de conhecimento. Faltam, no entanto, condições básicas de pesquisa e infraestrutura para a exploração sustentada dessa biodiversidade. Um ecossistema pode ser uma grande área relativamente homogênea, como a Floresta Amazônica, ou uma pequena planta, como uma bromélia (que armazena em suas folhas água, sais, compostos orgânicos, inúmeros microrganismos e insetos). No Brasil, há recursos biológicos, água e diversidade climática, mas muitos de nossos ecossistemas têm sido alterados e até extintos. A Mata Atlântica, por exemplo, quase desapareceu por ter sido área de intensa exploração desde o século XVI e, principalmente, no século XX. O Cerrado é um bioma brasileiro bastante ameaçado pela expansão do agronegócio. Nas últimas quatro décadas, acelerou-se o processo de desmatamento, embora essa situação comece a se modificar, segundo informações do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que monitora o desmatamento.
.
Harald von Radebrecht/ImageBroker/Glow Images
Homem se desloca em canoa pela Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, localizada no oeste do estado do Amazonas. Nela, espécies vegetais e animais são preservadas da extinção, como o pirarucu, peixe que pode medir mais de 2 metros e pesar 200 quilos, cuja pesca é proibida em alguns períodos do ano. Foto de 2012
Em fevereiro de 2007, um relatório da ONU, elaborado por 600 cientistas de mais de 40 países, divulgou a avaliação da saúde da atmosfera. Eles afirmaram que o aquecimento global é causado, primordialmente, por atividades humanas – entre elas, a queima de petróleo e derivados, a queima de carvão, queimadas, agricultura em larga escala e destruição de florestas tropicais –, que levam a uma concentração inédita de gases do efeito estufa na atmosfera. As temperaturas estão subindo, assim como o nível dos mares (há estudos apontando que se elevou entre 10 e 20 centímetros no século XX, processo intensificado ainda mais nas duas últimas décadas). Para conter esses fenômenos é preciso reduzir os níveis de gases nocivos ao meio ambiente (dióxido de carbono, metano, clorofluorcarboneto), que são emitidos por fábricas ou por aparelhos e produtos que utilizamos em nosso cotidiano, como automóveis, caminhões, ônibus, ar-condicionado, etc.
As preocupações com a ecologia – ou com o equilíbrio ambiental – introduziram perspectivas de análise do ambiente baseadas em uma concepção de ciência e tecnologia mais integrada com a natureza, o ser humano, a sociedade e a cultura.
O mundo vem se defrontando com verdadeiros dilemas provocados pelo crescimento da população, pela globalização da economia e pela degradação ambiental. O desenvolvimento do capitalismo assume, no momento, uma hegemonia global, isto é, uma supremacia de dominação social, fenômeno analisado no capítulo 1 e, no plano especificamente cultural e ideológico, no capítulo 5. Os benefícios do desenvolvimento capitalista, porém, não se estendem da mesma maneira a todos os povos e países, pois uma parte considerável da população mundial não tem acesso a eles.
A hegemonia global refere-se ao poder mais ou menos determinante de dominação, à supremacia de alguns países sobre outros, no nível das relações internacionais propiciadas pelo sistema capitalista no mundo. Desse arranjo econômico-político entre os países, configura-se uma divisão internacional do trabalho em que o perfil de cada país é determinado em relação ao que produz, seja matéria-prima (madeira, grãos, minérios, etc.), sejam produtos industrializados, com emprego de mais ou menos tecnologia, de mão de obra qualificada ou não.
Os países mais desenvolvidos costumam ser os maiores poluidores, consumidores e exploradores de recursos naturais, e os países em desenvolvimento têm tido pouca chance de garantir o equilíbrio ecológico, pois abrigam indústrias sem controles de poluição e se tornam receptáculos de lixo tóxico. Nesse sentido, a saída para os problemas mais sérios exige soluções em âmbito mundial que envolvam a solidariedade dos países ricos em relação aos pobres e novas formas de produzir e consumir no mundo.
 Shutterstock
Refinaria de petróleo lança poluentes no céu de San Pedro, nos Estados Unidos, em foto de 2012.Bret Hartman/Reuters/Latinstock
O desenvolvimento gradual de uma consciência ecológica, ainda que incipiente, tem levado à busca de soluções para os problemas ambientais. Tais buscas, no entanto, precisam ser globais efetivamente, e há dificuldades de os países construírem instituições globais que sejam eficazes, tanto nas suas proposições de soluções quanto na fiscalização e regulamentação das relações do ser humano com a natureza.
Diante das dificuldades políticas e sociais do mundo contemporâneo, provocadas pela globalização da economia, e da necessidade de soluções globais, constata-se a emergência de lutas sociais como as dos movimentos ecológicos, por direitos humanos, dos povos indígenas, das mulheres e dos trabalhadores, estudados no capítulo 8. Muitos desses movimentos querem dar um sentido político a problemas ecológicos transnacionais, como o efeito estufa e o buraco na camada de ozônio. Uma das consequências é o derretimento das calotas polares, como sugere a charge a seguir.
http://imguol.com/blogs/61/files/2012/06/aquecimento.jpgTirinha de Laerte, julho de 2008.
Laerte/Acervo do cartunista
A ecologia, campo interdisciplinar, estuda as interações entre os seres vivos e o meio ambiente, além das condições necessárias para a reprodução das diferentes formas de vida.
Todos esses fenômenos de degradação ambiental implicam a redução do volume de água potável no planeta. Os exemplos de desertificação de nosso planeta e de seu aquecimento se multiplicam, como é o caso da Cidade do Cabo, na África do Sul. A ação dos colonizadores, que, para fins paisagísticos, substituíram a cobertura vegetal nativa (herbáceo arbustiva) por coníferas da Austrália e da América do Norte no século XIX, resultou na quebra do equilíbrio hídrico. Ou seja, por consumirem muito mais água, essas árvores invadiram os mananciais, e se não forem removidas, em 20 anos a cidade poderá perder 40% do volume de água de sua bacia hidrográfica. Nesse ritmo, em 40 anos, os rios da Cidade do Cabo secarão. Os movimentos ambientais que denunciam essas situações de degradação são, em sua maioria, locais, mas servem de exemplo para mobilizações em outros lugares. Eles tendem a se alinhar em ações coletivas que reivindicam um trabalho seguro e saudável, com o objetivo de prevenir malefícios à saúde nas minas, plantações e fábricas. Um desses movimentos é o de camponeses que se opõem ao crescimento da agricultura antiecológica recusando-se a utilizar venenos (pesticidas), sementes transgênicas, etc.
ENCONTRO COM OS CIENTÍSTAS SOCIAIS
Como os riscos ambientais se apresentam para toda a humanidade, um autor contemporâneo importante como Ulrich Beck pensa em como a sociedade se “globaliza” também na missão de enfrentá-los. Leia esta sua interpretação do problema e responda à questão a seguir, em seu caderno.
Ouve-se continuamente afirmar que a noção de “sociedade mundial de risco” favorece neologismos e bloqueia a ação política. O contrário é verdadeiro: como sociedade mundial de risco, a sociedade se torna reflexiva em um triplo sentido. Em primeiro lugar, ela se torna tema por si mesma: os perigos globais geram comunidades globais, antes, se delineiam os contornos de uma esfera pública (virtual) mundial. Em segundo lugar, é percebida a globalização das auto ameaças produzidas pelo progresso desde um impulso politicamente orientável à revitalização da política nacional e à formação e configuração de instituições cooperativas internacionais. [...] Em terceiro lugar, o político perde os seus limites. Criam-se constelações de “sub- política” global e direta, que não se ajustam às coordenações e coalizações da política nacional-estatal e, portanto, a relativizam. [...] nessa concepção das emergências geradas pela sociedade mundial de risco podem se delinear os contornos de uma “sociedade civil mundial”.
BECK, Ulrich. Conditio humana; il rischio nell`età globale. Roma-Bari: Latterza, 2008. p. 133. (Tradução livre das autoras.)
•             Considerando que a sociedade moderna, sendo capaz de pensar em si mesma, é reflexiva, busque nos meios de comunicação de massa exemplos de ações sociais que indiquem como se dá a cooperação internacional diante de ameaças à vida no planeta, seja em defesa de espécies animais em extinção, seja diante de catástrofes naturais como furacões, enchentes, incêndios florestais, tsunamis, terremotos, entre outras.
Inovação: benefícios ou malefícios?
1.       Inovação é a introdução, adoção e aplicação de uma nova técnica de produção, controle, administração, organização ou comunicação. Enfim, trata-se de uma intervenção em qualquer setor da sociedade que se vale de tecnologia derivada de uma descoberta ou de uma invenção (como foi a adoção dos microprocessadores na construção de calculadoras eletrônicas, no final dos anos 1970), ou de uma técnica inédita em determinada sociedade ou setor produtivo, mesmo que já existente em outro contexto. Assim, as inovações estão presentes na indústria, na agricultura, no comércio, na educação, na medicina, na administração do Estado, na família, no trabalho e no planejamento da cidade. As corporações têm acelerado a taxa de inovação em numerosos campos da produção e de gestão, como a automação e a informática. A guerra também é um dos mais ativos fatores de renovação tecnológica: a indústria bélica estimula testes e experimentos que envolvem a população civil e alimentam a disputa do poder político entre as nações. Nesse contexto, as empresas exercem um papel ambíguo. A lógica da inovação e do consumo faz com que os produtos tenham uma obsolescência programada, ou seja, logo se transformam em algo descartável, visto que o prazo de validade é definido antes mesmo de o objeto ser produzido. Ao lado dela, existe também a obsolescência psíquica, em que a demanda por novos produtos é causada pela insatisfação do consumi- dor diante da possibilidade de troca por novidades. Isso tudo faz com que os consumidores sejam grandes produtores de lixo: desde embalagens e mate- rial publicitário até dejetos resultantes do uso de produtos geram problemas ambientais de difícil solução. Algumas inovações causam enormes polêmicas com os ambientalistas. No campo da biotecnologia, por exemplo, existe a discussão em torno dos transgênicos. Enquanto os laboratórios produtores afirmam que as sementes geneticamente modificadas aumentam a produtividade e geram plantas resistentes a pragas, os ambientalistas alegam que elas causam sérios riscos à sobrevivência do ser humano e do planeta, uma vez que reduzem a variabilidade das espécies e alteram o ambiente. Sob os protestos de ativistas e ambienta- listas, em fevereiro de 2008 liberou-se o plantio e a venda de milho transgênico no Brasil, numa decisão que agradou a um grupo de multinacionais, grandes produtores rurais e parte da comunidade científica.
Consumidores alemães aguardam em fila para comprar um modelo recém-lançado de tablet na cidade de Munique, em março de 2012.
Desastres científicos, políticos e de relações públicas na indústria da agrobiotecnologia
Veja a seguir alguns casos ilustrativos revelados durante um ano de pesquisa divulgada pelo ativista Pat Mooney. Eles traçam o perfil de como uma inovação e seus derivados podem acarretar problemas sociais de amplas dimensões, até mesmo éticas.
Janeiro de 2000 Reputação no chão: Enquanto as delegações se preparavam para uma reunião de biossegurança a realizar-se em Montreal, Canadá, pesquisadores estadunidenses e venezuelanos confirmavam (contraria- mente às promessas da indústria) que a toxina Bt no milho transgênico pode dispersar-se no solo, matando larvas até 25 dias depois de ter sido liberada.
Fevereiro de 2000 Irresistível: Cientistas canadenses reconheceram que alguns herbicidas de transnacionais perderam sua efetividade para exterminar o mato apenas dois ou três anos depois que um agricultor de Alberta se- meou pela primeira vez as sementes de canola que essas empresas modificaram geneticamente.
Março de 2000 Vocalizando: Um memorando do governo dos Estados Unidos, censurado por muito tempo, com data de 1993, revela uma experiência em que 4 de 20 roedores, alimentados [...] com um tomate geneticamente modificado, sofreram lesões sérias no estômago.
Abril de 2000 Uma batata quente: Os produtores estadunidenses de milho evitam o uso de semente geneticamente modificada, uma vez que suas exportações para a Europa caíram de 2 milhões de toneladas em um ano a 137 mil toneladas no ano seguinte. O anúncio tornou-se público quando meios importantes de comunicação informaram que as principais empresas dedicadas a processar batata e as principais cadeias de fast food notificaram os plantadores do tubérculo para que evitassem o uso de batatas geneticamente modificadas.
Maio de 2000 “Seguras”... onde quer que estejam?: Multinacional informou a representantes do governo estadunidense sobre uma conformação de DNA não identificado que “aparece misteriosamente” em suas sementes de soja geneticamente modificadas. A empresa assegurou àqueles representantes que o DNA desconhecido é seguro (e que não se tratava de um vírus querendo “passar por morto”). Na Saxônia, um estado da Alemanha, um pesquisador descobriu que um gene da semente de canola geneticamente modificada se transferira para uma bactéria e um fungo descobertos no intestino das abelhas produtoras de mel. A indústria afirmara que essa transferência seria pouco provável ou mesmo impossível.
Junho de 2000 Homem aranha: Um “gene saltador” utilizado na engenharia genética rompeu a barreira entre as espécies pelo menos sete vezes, até mesmo uma entre as moscas e os seres humanos. Se forem liberados organismos modificados que contenham esse gene promíscuo, corre-se o perigo de outros saltos inesperados [...].
Julho de 2000 Não existe lugar seguro: As plantações “refúgio” de milho convencional, que os agricultores semearam perto dos campos com milho geneticamente modificado, com o objetivo de diminuir a resistência destes campos a uma toxina bacteriana, simplesmente fracassaram. Os insetos vulneráveis das plantações “refúgio” recusaram-se a cruzar com os insetos resistentes, provenientes dos campos geneticamente modifica- dos (no entanto, o gambá encontrou nos campos modificados um lugar ideal para reproduzir-se).
Agosto de 2000 Continua a loucura: Segundo um relatório do Reino Unido, durante o ano 2000 aumentou significativamente o número de mortes em consequência da doença da vaca louca. Até agosto daquele ano já ha- viam sido detectadas 15 mortes, em contraste com as 19 durante todo o ano de 1999. O verdadeiro arroz dourado: Um estudo realiza- do por uma universidade dos Estados Unidos, que compreende diversas variedades de arroz, na China e nas Filipinas, mostrou que se diversas variedades de arroz forem cultivadas paralelamente, o rendimento aumenta 89%, enquanto as doenças reduzem-se 98%. O estudo conclui que a diversidade ultrapassa ampla- mente o desempenho das variedades geneticamente modificadas e homogêneas.
Setembro de 2000 Corrida de “tacos”: Uma variedade de milho geneticamente modificado, proibida para consumo humano, mas permitida como forragem, apareceu nas panquecas com que preparam comida rápida em restaurantes. Essa situação fez com que surgissem novas preocupações com relação à capacidade da indústria e dos governos de controlar os produtos geneticamente modificados.
“Segura”... não importa em que parte?: Pesquisadores estadunidenses fizeram um alerta ante um possível vácuo nas normas para a biossegurança de plantios geneticamente modificados. Consideraram os casos do tomate e da batata, em que a regra de
“equivalência substancial” só é válida para a parte comestível da planta, fazendo caso omisso das mudanças que possam ocorrer nas raízes e folhas. Advertiram que as alterações genéticas da parte não comestível poderiam representar riscos para o meio ambiente.
Outubro de 2000 Hipodérmicas com a cara de Power Ranger: Gigante produtora de cereal matinal fechou uma fábrica, com medo de que um tipo de milho não permitido e geneticamente modificado tivesse infectado os cereais produzidos. Devido ao pânico gerado, [...] entre os consumidores contava-se a piada de que a empresa teria que distribuir, dentro das caixas de cereais, seringas para tratar os ataques alérgicos, em vez de bonecos dos Power Rangers ou da Guerra das Galáxias, devido às possíveis reações das crianças que os consumissem.
Novembro de 2000 Monopolizar não é ético: A primeira reunião da mesa-redonda sobre ética (um grupo de respeitados agrônomos e especialistas em ética) [...] concluiu que os plantios geneticamente modificados são perigosos, que a tecnologia de esterilização de sementes é imoral, e que a patente sobre genes e outros materiais genéticos conduz à erosão genética dos plantios e a monopólios inaceitáveis.
Dezembro de 2000 Tentativa de resgatar a biossegurança: A “biocracia” mundial se reuniu na França para debater a normatização da biossegurança. Basicamente, o mercado de sementes geneticamente modificadas, com operações de 2,5 bilhões de dólares americanos, envolve quatro grandes culturas industriais (soja, milho, algodão e colza-canola), que crescem em 3 países (Estados Unidos, Argentina e Canadá possuíam, no ano 2000, 98% da área total de culturas geneticamente modificadas).
Adaptado de MOONEY, Pat. O século XXI: erosão, transformação tecnológica e concentração do poder empresarial. São Paulo: Expressão Popular, 2002. p. 151-7.
DEBATE
Em grupos, leiam o texto abaixo, anotando em seus cadernos as principais ideias do autor. Discutam e redijam respostas para as perguntas propostas.
Nossa relação com a ciência e a tecnologia hoje é diferente daquela característica de tempos passados. Na sociedade ocidental a ciência atuou por cerca de dois séculos como uma espécie de tradição. Supostamente, o conhecimento científico superava a tradição, mas de fato ele próprio se transformou em uma, de certo modo. Era algo que a maioria das pessoas respeitava, mas que permanecia externo às atividades delas. Os leigos “consultavam” os especialistas. Quanto mais a ciência e a tecnologia se intrometem em nossas vidas, e o fazem num nível global, menos essa perspectiva se sustenta. A maioria de nós – incluindo autoridades governamentais e políticos – tem, e tem de ter, uma relação muito mais ativa ou comprometida com a ciência e a tecnologia do que antes. Não podemos simplesmente “aceitar” os acha- dos que os cientistas produzem, para início de conversa por causa da frequência com que eles discordam uns dos outros, em particular em situações de risco fabricado. E hoje todos reconhecem o caráter essencialmente fluido da ciência. Cada vez que uma pessoa decide o que comer, o que tomar de café da manhã, se café descafeinado ou comum, ela toma uma decisão no contexto de informações científicas e tecnológicas conflitantes e mutáveis. [...] Seja qual for nossa perspectiva, vemo-nos envolvidos num problema de administração de risco. Com a difusão do risco fabricado, os governos não podem fingir que esse tipo de administração não lhes com- pete. E eles precisam colaborar uns com os outros, uma vez que muito poucos riscos de novo estilo têm algo a ver com as fronteiras nacionais. Mas tampouco nós, como pessoas comuns, podemos ignorar esses novos riscos – ou esperar a chegada de provas científicas conclusivas. Como consumidores, cada um de nós tem de decidir se vai tentar evitar produtos geneticamente modificados ou não. Esses riscos, e os dilemas que os envolvem, penetraram profundamente em nossas vidas cotidianas. [...] mas o equilíbrio de riscos e perigos se alterou.
GIDDENS, Anthony. Mundo em descontrole. 3. ed. Rio de Janeiro: Record, 2003. p. 40-4.
1. Analisem os avanços para a humanidade trazidos pela ciência e reflitam sobre seus impactos no meio ambiente.
2. Relacionem e sistematizem por escrito, justificando suas respostas:
a) Qual é a relação entre interesses econômicos e ciência?
b) Qual é a relação entre esses interesses e o impacto da ciência no meio ambiente? Isso pode ser mudado? Como?
Desenvolvimento capitalista e meio ambiente
Quando as Ciências Sociais se referem a desenvolvimento econômico ou de outra natureza, remetem-nos à trajetória do sistema capitalista de produção, sua difusão e força política em se manter e se transformar. O desenvolvimento se realiza no espaço global, mas de modo descontínuo nas diversas nações e regiões do mundo. O cientista político Elmar Altvater (1938-) mostra que, ao longo das últimas décadas, essa afirmativa não tem se alterado: os habitantes de um país pobre como a Etiópia têm uma renda per capita igual a 1/175 da renda per capita de um japonês médio. O mundo integrado pela globalização, que busca estabelecer um pensamento único – de inspiração neoliberal, simplificador e justificador das diferenças e desigualdades sociais –, é, na verdade, um mundo dividido: aumenta cada vez mais o contraste entre ricos e pobres. O desenvolvimento também pode ser contrário ao meio ambiente: ambos se encontram em uma relação recíproca, pois as atividades econômicas transformam o meio, e o ambiente alterado constitui uma restrição externa ao desenvolvimento econômico, dificultando o desenvolvimento social. Para exemplificar isso nos reportamos à discussão dos países reunidos em Copenhague, em dezembro de 2009: eles concordaram sobre os efeitos da ação humana sobre o clima do planeta, porém não chegaram a um acordo sobre o percentual que cada país estaria disposto a reduzir quanto à emissão de poluentes, uma vez que, ao se comprometerem com índices de redução, a atividade econômica do país poderia ser prejudicada.
O uso desigual de recursos e serviços ambientais gera reivindicações por justiça ambiental em várias partes do mundo.
Essas diferenças que levam à exaustão dos recursos naturais são denominadas “distribuição ecológica”. Há também o chamado “racismo ambiental”, que ocorre quando certas populações, em especial as não brancas, são afetadas desproporcionalmente por mudanças ambientais. Outra variação desse processo é o “dumping ecológico”, ou seja, a instalação de filiais de empresas poluidoras de determinados países em outros, nos quais as leis ambientais são menos rígidas. Outros termos aplicados a esses efeitos são: “dívida ecológica” (quando há requisição de indenização de países ricos sobre as emissões excessivas de dióxido de carbono), “invasões ecológicas” (termo aplicado a povos que dependem de recursos de outros territórios) ou ainda “ambientalismo da pobreza” (referente a conflitos sociais com conteúdo ecológico, principalmente nas zonas rurais).
Grande parte dos recursos naturais, considerados bens comuns do ponto de vista ecológico, são limitados e não renováveis. Em seu processo de desenvolvimento, a sociedade industrial fez e faz uso deles. Uma vez utiliza- dos, esses recursos não estarão disponíveis uma segunda vez para as estratégias de desenvolvimento. O ser humano devasta o planeta ao liberar emissões tóxicas no ar, nas águas e no solo, ao utilizar à exaustão as fontes energéticas, entre outras atitudes antiecológicas. O problema, contudo, não está apenas no consumo de fontes de energias, porque a produção industrial precisa também de “recipientes” – locais de despejo onde os rejeitos possam ser depositados. O despejo de dejetos como o lixo urbano, o proveniente das usinas atômicas, o fabril, entre outros, em terrenos apresenta-se como uma ameaça ao meio ambiente, dada a lenta capacidade de absorção dos ecos- sistemas. Assim, alguns cientistas identificam uma vagarosa, mas persistente, crise civilizatória: a percepção dos danos à humanidade começou muito tarde para reverter esse processo. Crise significa transição, indeterminação quanto aos processos sociais em diferentes contextos históricos – econômico, político, cultural. Para Sousa Santos, a crise na sociedade contemporânea se coloca por não termos soluções modernas para os problemas modernos. Em um ciclo de dimensões gigantescas, o ser humano passou a ser uma vítima do uso abusivo dos recursos naturais e da apropriação ilimitada da natureza.
PAUSA PARA REFLETIR
No primeiro semestre de 2007, o governo brasileiro lançou o programa de biodiesel. Para incentivar a utilização das plantas nativas das regiões mais pobres, com foco na agricultura familiar, nem todas as alternativas mostraram-se viáveis. Como obter o biodiesel da mamona e do dendê, que precisam de recursos do Estado? Restam as culturas tradicionais do Centro-Sul – a soja, o algodão e o girassol –, sem falar na cana-de-açúcar, da qual se produz também etanol, no Brasil. Pela adição obrigatória do biocombustível ao diesel, a partir de 2008, cresce a demanda desses produtos e os investimentos no setor. Por outro lado, desde 2006, há no mundo um forte aumento na demanda de alimentos. O grito contra a falta de alimentos vem de países pobres, como Indonésia, Mongólia, Uzbequistão, Egito, Mauritânia, Moçambique, Marrocos, Camarões, México, Argentina. O problema não é apenas humanitário e social, mas político, entre as nações produtoras e exportadoras e seus interesses de maior ganho. Conforme  reportagem publicada em 2008:
O Banco Mundial propôs um tipo de New Deal para a Política Global de Alimentos, que incluiria a doação de 500 milhões de dólares dos países ricos para transferências, em dinheiro vivo, às populações com fome, além da elaboração de programas para uma maior produção mundial. Porém, tal iniciativa seria emergencial e não toca no problema central. Falta comida e sobra especulação dos mercados financeiros.
PINHEIRO, Márcia; ATHAYDE, Phydia. A revolta dos pobres. CartaCapital, 30 abr. 2008, p. 29. New Deal: programa de injeção de recursos governamentais, de medidas intervencionistas na economia e de auxílios sociais adotado pelo governo dos Estados Unidos nos anos 1930 para enfrentar a crise econômica.
Considerando o exposto e informações complementares que você pode pesquisar em veículos impressos ou na internet, reflita e responda:
1. Há relação entre a falta de acesso aos alimentos, no mundo, e o agronegócio, como a produção do biodiesel?
2. Como é possível promover desenvolvimento econômico que assegure renda e em- prego para a população, preserve o ambiente (redução da poluição, preservação da flora e fauna, da água, do ar) e priorize a produção de alimentos? Escreva sobre possíveis medidas que poderiam ser adotadas pelo Estado brasileiro nesse sentido.


Sociedade sustentável: equilíbrio entre ser humano e natureza?
Como vimos, hoje ocorre um estranhamento entre ser humano e natureza: o próprio ser humano não se reconhece como parte dela. Parece ser urgente que se redefina o sentido atribuído à natureza, o que significa alterar o modo como nos relacionamos com ela. A forma capitalista de produzir consome matérias-primas e recursos não renováveis e gera enorme quantidade de lixo para aterros sanitários, que são insuficientes. Quando o solo, o ar e a água sofrem devastação, quando os seres humanos estão submetidos à violência de sobreviver com dificuldades, quando há a incerteza do futuro, tornam-se necessárias mudanças de comportamento e empenho na busca de soluções, em todos os níveis e áreas, com foco na coletividade. Atualmente se fala em “paradigma de crescimento verde”, ou seja, um modelo de conduta estruturado a partir de esforços em agregar ciência, tecnologia, grupos comunitários e governos para estabelecer objetivos e metas ambientais para uma política de desenvolvimento sustentável, em que seriam privilegiados os “empregos verdes”. Estes ocorrem nos setores agrícola, industrial, de pesquisa e desenvolvimento (P&D), administrativo e de serviços, no sentido de preservar e restaurar a qualidade do meio ambiente. Os defensores dos “empregos verdes” argumentam que eles ajudam a proteger os ecossistemas e a biodiversidade; reduzem o consumo de energia, materiais e água mediante a utilização de estratégias de alta eficácia; minimizam ou evitam a geração de todas as formas de lixo e poluição.
A ecologia é um aprendizado que envolve o meio ambiente (natural) propriamente dito, as relações sociais e a subjetividade humana, segundo o filósofo francês Pierre-Félix Guattari (1930-1992). Essa concepção abrangente  da natureza do ser humano, como ser cultural e também natural, está na base das teorias por um desenvolvimento sustentável pós-consumista, ou seja, não desperdiçador. Nesse sentido, a sustentabilidade é uma aposta: a capacidade de se desenvolver com sustentação significa necessidade de renovação e fortalecimento de tudo o que mantém a vida.
Reflexões sobre o ambiente e a relação homem-natureza afirmam a premência de amadurecer uma consciência social do equilíbrio humano com a natureza.
Uma sociedade sustentável tem se tornado uma necessidade e pede uma nova ética. Essa ética ambiental gera uma consciência dos valores sociais primordiais: ecológicos, genéticos, sociais, econômicos, científicos, educacionais e culturais. É fundamental recordar o fato de que somos indivíduos numa coletividade. Morin propõe o desenvolvimento de uma ética que res- peite as três dimensões interligadas e a essa perspectiva de preservação do gênero humano, chama “ecoética” – uma ética ecológica, fruto da relação respeitosa e responsável dos homens com o planeta. A proposta é uma cidadania terrestre. Numa atitude ética, sustentada na responsabilidade das partes e entre as partes que integram a sociedade, vivem-se princípios e valores que podem levar a uma crescente autonomia, permitindo aos indivíduos e grupos sociais fazer suas escolhas e exercer um controle democrático sobre as instituições e organizações da sociedade. Assim, pesquisas sobre o ambiente e a relação homem-natureza apontam ser necessário investir no desenvolvimento do ser humano, mais que no desenvolvimento da riqueza do ser humano. Ainda que atitudes visando o consumo sustentável, o incentivo aos pro- dutos orgânicos, a redução do desperdício e o reaproveitamento de mate- riais sejam importantes, individual e coletivamente, sabemos que tais atitudes, de forma isolada, não darão conta de reverter os processos de devastação e degradação da natureza e, muito menos, garantir a preservação e a conservação dos ecossistemas. Também as comunidades que dependem direta- mente ou têm uma relação mais próxima com a natureza, dela obtendo seu sustento, precisam ser consideradas quando se realizam obras de grande impacto ambiental, por exemplo. A disputa de poder e de mercado entre países que procuram o desenvolvimento econômico a qualquer custo, assim como entre empresas que produzem em larga escala e de forma predatória – como é o caso de algumas ligadas à agroindústria, agropecuária e vários outros ramos industriais –, geram consequências sociais que em geral não são contabilizadas no custo da produção. Os interesses econômicos e políticos, ao se sobreporem às questões sociais e ambientais, dificultam a implementação de soluções mais eficientes em âmbito global, como podemos compreender ao pesquisarmos sobre as diversas conferências internacionais sobre clima, meio ambiente e desenvolvimento sustentável, como a Eco-92 ou a Rio+20.
PESQUISA 1
Fruto da preocupação com questões socioambientais e ambientais, a ONU realizou uma conferência para o desenvolvimento sustentável, chama- da Rio+20, que ocorreu no Brasil, em 2012. Os países participantes debateram sobre a questão ambiental e, ao final, foi redigido um documento, uma espécie de carta de intenções com orientações a serem adotadas pelos países.
•             Considerando o exposto no capítulo, faça uma busca na internet sobre a conferência Rio+20. Depois de ler o material obtido, realize uma síntese dos objetivos do evento, suas principais resoluções, seus pontos positivos e negativos com relação à busca por melhoria das relações entre desenvolvimento e meio ambiente. Em classe, destaquem e discutam os pontos que vocês consideram mais relevantes em termos de avanços nas discussões sobre a relação sociedade-natureza e aqueles que vocês entendem como as principais dificuldades a serem superadas.
PESQUISA 2
Faça uma pesquisa em revistas, jornais e na internet sobre casos de degradação ambiental no Brasil de hoje. Cite pelo menos três exemplos atuais, relacionando os problemas causados e os atores sociais responsáveis por eles.
Diálogos interdisciplinares
Ao longo deste capítulo exploramos as relações do ser humano com o meio ambiente e vimos que elas podem muitas vezes ser nocivas, em especial na sociedade contemporânea. Neste projeto interdisciplinar, vocês utilizarão conhecimentos das Ciências Sociais, da Biologia e da Geografia para construir uma maquete. A ideia é ilustrar um processo de mudança ambiental e climática causada ou agravada por interação ser humano-natureza, propondo possíveis soluções.
a) Em grupo, escolham um ecossistema ou bioma que vem sendo ameaçado na sua região ou no estado onde vocês moram. Relembrem o que aprenderam nas aulas de Biologia e Geografia sobre como esse ecossistema funciona.
b) Façam uma pesquisa em fontes bibliográficas e na internet sobre os riscos e as ameaças a esse ecossistema e/ou bioma. Pesquisem também sobre a vida das populações na região ameaçada.
c) Utilizando material reciclável, construam uma maquete que mostre:
•             O funcionamento do ecossistema ou bioma escolhido;
•             As interações humanas em alguns de seus processos e o efeito disso;
•             A relação da população da região com o problema.
d) Incluam na maquete uma demonstração de como este problema pode ser resolvido, possivelmente apontando mais de uma solução.
e) Apresentem o resultado do trabalho ao resto da classe (ou a outras turmas da escola).
REVISAR E SISTEMATISAR
1. Caracterize a relação ser humano-natureza nas sociedades ocidentais contemporâneas.
2. Quais são algumas das ameaças ao meio ambiente produzidas pela ação do ser humano atualmente? Dê exemplos.
3. Segundo Ulrich Beck, vivemos em uma “sociedade de riscos”. Explique essa expressão e responda a que riscos o autor se refere.
4. Toda inovação é considerada benéfica? Justifique sua resposta.
5. Qual é o significado de desenvolvimento sustentável? De que forma se- ria possível promovê-lo?
Conceitos-chave:
Alienação, emancipação social, sociedade de risco, racionalização, modernização, hegemonia, inovação, desenvolvimento, crise.
Descubra mais:
As Ciências Sociais na biblioteca HARE, Tony. Reciclagem. São Paulo: Melhoramentos, 1991. Reflexão sobre o desperdício e o consumismo desenfreado.
JAMES, Bárbara. Lixo e reciclagem. São Paulo: Scipione, 1992. O acúmulo de lixo é um problema para a sociedade organizada e medidas precisam ser adotadas.
MUNDURUKU, Daniel. Contos indígenas brasileiros. São Paulo: Global, 2004. Contos míticos que representam a trajetória de diversos povos indígenas.
As Ciências Sociais no cinema Dersu Uzala, 1975, União Soviética/Japão, direção de Akira Kurosawa. Dersu Uzala é um caçador que vive nas florestas da Sibéria em comunhão com a natureza.
Erin Brockovich – uma mulher de talento, 2000, Estados Unidos, direção de Steven Soderbergh. A luta de uma mulher para que uma indústria indenize a população de uma cidade, intoxicada por dejetos industriais.
Estamira, 2004, Brasil, direção de Marcos Prado. Neste documentário o autor discute a capacidade criativa, a partir da utilização da fantasia. Estamira, a personagem do título, é uma mulher de 63 anos, diagnosticada como esquizofrênica, que vive em um lixão na cidade do Rio de Janeiro. Com um vocabulário próprio, repleto de poesia, Estamira narra a sua luta com o “Trocadilho”, a face perversa de Deus.
Ilha das flores, 1989, Brasil, direção de Jorge Furtado. A realidade das pessoas em um lixão denunciada pela trajetória didática de um tomate.
O futuro da comida, 2004, Estados Unidos, direção de Deborah Koons Garcia. Filmado nos Estados Unidos, no Canadá e no México, mostra como a política e as multinacionais ocidentais estão controlando o sistema de comida no mundo, fazendo que mudemos nossos hábitos alimentares.
O veneno está na mesa, 2012, Brasil, direção de Sílvio Tendler. O Brasil é o país do mundo que mais consome agrotóxicos: 5,2 litros/ano por habitante. Muitos desses herbicidas, fungicidas e pesticidas que consumimos estão proibidos em quase todo mundo pelo risco que representam à saúde pública, tanto dos trabalhadores quanto dos consumidores, como mostra o filme.
Uma verdade inconveniente, 2006, Estados Unidos, direção de Davis Guggenheim. Documentário que discute o aquecimento global e os impactos sobre a vida no planeta.
As Ciências Sociais na rede Agência Nacional de Águas – ANA. Disponível em: . Acesso em: 28 fev. 2013. Site com notícias, atlas, vídeos e biblioteca virtual sobre regiões hidrográficas brasileiras e abasteci- mento urbano de águas.
Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos – CPTEC. Disponível em: . Acesso em: 28 fev. 2013. Site do Ministério da Ciência e Tecnologia e do Ministério do Meio Ambiente que monitora, em tempo real por satélite, os focos de queimadas no Brasil.
Instituto Socioambiental – ISA. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2013. É possível pesquisar informações sobre meio ambiente e povos indígenas no Brasil.
Ministério do Meio Ambiente. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2013. Site do governo federal que cuida das questões ambientais do país.
Organização das Nações Unidas para Alimentos e Agricultura – FAO. Disponível em: . Acesso em: 28 fev. 2013. Site da Organização das Nações Unidas com informações e vídeos sobre os recursos naturais e seu uso no mundo.
bibliografia
ALTVATER, Elmar. O preço da riqueza: pilhagem ambiental e a nova (des)ordem mundial. São Paulo: Ed. da Unesp, 1995.
_. Os desafios da globalização e da crise ecológica para o discurso da democracia e dos direitos humanos. In: A crise dos paradigmas em Ciências Sociais e os desafios para o século XXI. Rio de Janeiro: Contraponto, 1999. p. 109-54.
BECK, Ulrich. A reinvenção da política: rumo a uma teoria da modernização reflexiva. In: GIDDENS, A.; BECK, U.; LASH, S. Modernização reflexiva: política, tradição e estética na ordem social moderna. São Paulo: Ed. da Unesp, 1997. p. 11-72.
_. Conditio humana; il rischio nell`età globale. Roma-Bari: Latterza, 2008.
BEIGUELMAN, Bernardo. Genética, Ética e Estado. Brazilian Journal of Genetics, Ribeirão Preto, v. 20, n. 3,  1997.
BORN, Harry (Coord.). Diálogos entre as esferas global e local: contribuições de organizações não governa- mentais e movimentos sociais brasileiros para a sustentabilidade, equidade e democracia planetária. São Paulo: Peirópolis, 2002.
BURSZTYN, Marcel (Org.). Para pensar o desenvolvimento sustentável. São Paulo: Brasiliense, 1993.
CARTACAPITAL, Insegurança alimentar, 20 fev. 2008, p. 15.
CASTELFRANCHI, Yurij. Vento de furacão esquenta debate sobre mudança climática. Ciência & Cultura – temas e tendências: Amazônia, artigos. Revista da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, ano 58, n. 3, jul./ ago./set. 2006, p. 16-17.
CLEMENT, Charles; HIGUCHI, Niro. A floresta amazônica e o futuro do Brasil. Ciência & Cultura – temas e tendências: Amazônia, artigos. Revista da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, ano 58, n. 3, jul./ ago./set. 2006, p. 44-51.
FLORIANI, Dimas. Conhecimento, meio ambiente & globalização. Curitiba: Juruá, 2004.
FOLHA DE S.PAULO. Aquecimento é “inequívoco”, diz painel. São Paulo, 3 fev. 2007, Caderno Especial, p. 2.
GALLINO, Luciano. Dizionario di sociologia. Torino: TEA, 1993.
GIDDENS, Anthony. Mundo em descontrole. 3. ed. Rio de Janeiro: Record, 2003.
GUATTARI, Félix. As três ecologias. Campinas: Papirus, 1990.
HABERMAS, Jürgen. Técnica e ciência como ideologia. In: Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1975. p. 45-92.
HARVEY, David. O enigma do capital e as crises do capitalismo. São Paulo: Boitempo, 2011.
KANASHIRO, Marta. Plantas exóticas ameaçam biodiversidade. Ciência & Cultura – temas e tendências: biodiversidade, artigos. Revista da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, ano 55, n. 3, jul./ ago./set. 2003, p. 49.
MARTINEZ-ALIER, J. Justiça ambiental e distribuição ecológica de conflitos. In: FERREIRA, Leila (Org.). A sociologia no horizonte do século XXI. São Paulo: Boitempo, 2002. p. 122-135.
MARX, Karl. Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Boitempo Editorial, 2004.
MENDES, Armando. Breve itinerário dos ecossistemas à ecopoesia: achegas para o seu traçado. In: BURSZTYN, Marcel (Org.).  Para pensar o desenvolvimento sustentável. São Paulo: Brasiliense, 1993. p. 11-28.
MÉSZAROS, Istvan. A crise estrutural do capital. São Paulo: Boitempo, 2009.
MOONEY, Pat. O século XXI: erosão, transformação tecnológica e concentração do poder empresarial. São Paulo: Expressão Popular, 2002.
MORIN, Edgar. Ciência com consciência. Lisboa: Publicações Europa-América, 1994.
_. A ecologia social. In: _. Sociologia. Portugal: Europa-América, s.d. p. 97-104.
_; NAÏR, Sami. Uma política de civilização. Lisboa: Instituto Piaget, 1997.
PINHEIRO, Márcia; ATHAYDE, Phydia. A revolta dos pobres. CartaCapital, 30 abr. 2008, p. 24-30.
RODRIGUES, Miguel. Biodiversidade: do planejamento à ação. Ciência & Cultura – temas e tendências: biodiversidade, artigos. Revista da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, ano 55, n. 3, jul./ago./ set. 2003, p. 47-48.
SOUSA SANTOS, Boaventura de. O norte, o sul e a utopia. In: _. Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade

Um comentário:

  1. Com base nessa reflexão, pesquise outros exemplos, em jornais, revistas e na internet, sobre a degradação ambiental e o Protocolo de Quioto, assinado em 1997. Formule um texto que aborde as seguintes questões:
    1. Em linhas gerais, qual é o conteúdo desse documento e que países participaram desse acordo?
    2. É correto afirmar que ele representa um avanço parcial para a humanidade no despertar da consciência ecológica? Por quê?
    3. Você acha que esse protocolo incentivou pesquisas tecnológicas em busca de alternativas energéticas e do uso sustentável dos recursos? Dê exemplos encontra- dos em sua pesquisa.
    ALGUÉM PODERIA ME RESPONDER?

    ResponderExcluir